Querido Monstrinho RM: Tipos de apoio na prática

Fala galera, tudo certo?! Bom, no post de hoje continuarei minhas reflexões sobre nosso Querido Monstrinho RM. Se você não viu o artigo da semana passada, em que falei sobre os tipos de esforços, dando alguns exemplos práticos, indico a você que clique aqui, antes de continuar lendo esse post.

Agora, para você que já está por dentro da nossa primeira reflexão, hoje falarei sobre os tipos de apoios existentes nos nossos primeiros cálculos de RM. Vamos ver um pouco fora da caixinha, do que se trata esses elementos tão importantes no nosso Monstrinho RM.

Para começo de conversa…

Bom, resolvi escrever esse artigo após uma conversa muito franca com uma amiga. Ela disse que não sabia, na prática, no mundo palpável, o que eram esses tais de apoios que tanto vemos nos cálculos de equilíbrio de forças. Daí, resolvi perguntar para o professor que ministrou as aulas de RM onde estudo sobre isso. Recebi uma resposta tão interessante, com exemplos tão corriqueiros, que resolvi pesquisar sobre o assunto, para visualizar mais exemplos palpáveis desses apoios.

Antes de tudo, para aqueles que estão entrando agora no mundo do monstrinho RM, APOIOS é o ponto em que dois ou mais componentes estruturais se encontram. Trata-se de um elemento construtivo que junta as peças de uma estrutura, impedindo seu movimento em uma ou mais direções das mesmas. Esses movimentos podem ser: Translações Verticais (↑↓), Horizontais (←→) ou Rotações.

Os apoios que lidamos nas primeiras aulas de RM são:

Apoio Móvel:

Esse componente estabelece um vínculo na estrutura, o que impede o deslocamento da peça na sua direção perpendicular, com relação a ele (no caso que vemos nas aulas, vertical). Ela ainda pode se mover na sua própria direção (horizontal) ou ter rotações em torno de um ponto. Os exemplos desse tipo de apoio, na prática, são:

Ponte da 14th street sobre o Rio Potomac (Washington – EUA)

Um belo zoom no apoio, para melhor visualização.

E, para termos um exemplo brasileiro, aí vai uma foto do Museu Brasileiro da Escultura:

Fonte: https://www.flickr.com/photos/viajes-arquitectura-arquexplora/6363331603/in/photostream/

Zoom no apoio, porque sim kkk:

Apoio Fixo:

Já nesse tipo de apoio, são estabelecidos dois vínculos na estrutura, impossibilitando que a peça se desloque em duas direções (vertical e horizontal). Entretanto, ele não impede que a peça rotacione em volta de um ponto. Os exemplos desse tipo de apoio, na prática, são:

Estação Ponte Santo Amaro – Segmento Capão Redondo-Largo 13:

Fonte: https://pt.slideshare.net/mackenzista2/apoios-20436211

Viaduto próximo a Olympia, em Washington – EUA.:

Fonte: https://pt.slideshare.net/mackenzista2/apoios-tipos-diversos-em-pontes-e-obras

Engaste:

Esse tipo de apoio são estabelecidos três vínculos na estrutura, impedindo os movimentos da peça nas duas direções, bem como as rotações. Ele absorve reações horizontais, verticais e momentos. Temos exemplo desse tipo de estrutura em nosso cotidiano, seja em prédios residenciais, comerciais, industriais… Se ele foi construído, como reza a cartilha da maioria das estruturas no Brasil, com certeza possui inúmeros engaste.

Fonte: https://fotos.habitissimo.com.br/foto/laje-premoldada-concretada_574970

Um outro tipo de construção, que podemos citar, que possui esse apoio é a Ponte Henry Hudson, em Nova York nos EUA.

Fonte: https://pt.slideshare.net/mackenzista2/apoios-20436211

Concluindo…

Bom galera, por hoje é isso aí! Bem, se você gostou dessa postagem, compartilhe com suas redes de contato, propague a informação por aí! Afinal, sua dúvida pode ser a mesma que a de outras pessoas que você conheça. E, se você ainda não é inscrito, inscreva-se no nosso Blog e receba as nossas atualizações, beleza?

Agora, se você já é inscrito e gostou ou não dessa postagem, ou tem alguma sugestão, deixe um feedback aqui embaixo. Sua opinião é muito importante para a evolução do nosso conteúdo.

Até a próxima!

Amanda Lima.

0 Comentários

Deixe seu comentário.

SiteLock