Protocolos de Comunicação – Conheça o DeviceNET

Fala galera, beleza? Hoje, vamos finalizar a série de protocolos de comunicação aplicados na indústria e, também, as postagens do ano de 2018, falando mais a respeito do protocolo DeviceNET. Caso não tenha lido os artigos anteriores, recomendo fortemente, que clique aqui e veja os protocolos já abordados.

Bom, sem mais delongas, vamos entender mais a respeito sobre o histórico, as aplicações e as vantagens de usar o DeviceNET, um dos protocolos mais populares na automação industrial.

O que é o DeviceNET?

O protocolo DeviceNET foi desenvolvido na década de 1990 pela Allen-Bradley, que atualmente pertence a Rockwell Automation, oferece uma arquitetura integrada no formato produtor-consumidor. Isso porque a mesma é baseada no protocolo CAN e padronizado pela IEC 62026 e EN 50325.

Trata-se de um protocolo aberto, ou seja, os demais fabricantes não precisam pagar royalties para utilizá-lo. Por conta disso, o mesmo é largamente utilizado no setor industrial, permitindo a compatibilização de diferentes equipamentos, mesmo que sejam de fabricantes diferentes.

As especificações deste protocolo, atualmente, são supervisionadas pelo grupo independente ODVA (Open DeviceNET Vendor Association), que garante a manutenção do padrão, além de manter suas características.

Como funciona?

A rede DeviceNET utiliza dois pares de fios em seu barramento, sendo um para alimentação e outro para comunicação dos dispositivos conectados a esta rede, sendo esses fios do cabo com cores padronizadas. Isto é:

  • Vermelho (VCC);
  • Preto (GND);
  • Branco (CAN High);
  • Azul (CAN Low).

Existem diversos modelos para aplicações industriais de cabo, alguns de multi-vias, sendo conhecidos como cabos tronco ou grosso (diâmetro de 12,5mm), fino (diâmetro de 7mm) e o cabo flat, cada um com suas especificações de utilização.

A topologia, a seguir, exemplifica bem como são instalados os dispositivos em uma típica rede DeviceNET:

Fonte: Apostila ETEC

O protocolo trabalha com o conceito de multi-drop, ou seja, cada dispositivo interligado na rede é considerado um nó, suportando várias hierarquias e trabalhando com priorização de mensagens. Como mencionado acima, tal protocolo é baseado no protocolo CAN e possui bastante similaridade com o mesmo.

Outras características do DeviceNET

O protocolo DeviceNET, por ser aberto, foi bastante aceito e usado na indústria. Mas, além disso, ele possui características, que tornam a escolha por esta rede vantajosa e seu custo de manutenção, relativamente, baixo:

  • Topologia em barramento;
  • Intercambialidade e Interoperabilidade;
  • Rede com base em CAN;
  • Facilidade em aumentar a rede;
  • Conexão até 64 dispositivos;
  • Taxa de transmissão de dados de 125 a 500kpbs;
  • Inserção e ou remoção de nós a quente, ou seja, sem necessidade de desconectar a alimentação da rede;
  • Diagnóstico de rede local e via CLP.

Por conta dessa e de outras características, bem como sua base ser em CAN, que tal protocolo é um dos mais usados em projetos de automação industrial.

Para finalizar…

Bom galera, espero que tenham gostado do artigo! Nosso objetivo foi trazer a vocês uma introdução e mostrar um pouco das aplicações do protocolo DeviceNET. Não deixe de comentar, aqui embaixo, e complementar o artigo com suas experiências. Afinal, a sua interação conosco é o que nos motiva a criar artigos e conteúdos. E, seu feedback é fundamental!

Gostou? Compartilhe e de seu feedback! Isso é fundamental para melhorarmos nosso conteúdo e produzir, ainda mais, artigos para ajudar mais e mais pessoas.

Muito obrigado e até a próxima!

Yhan Christian

0 Comentários

Deixe seu comentário.

SiteLock