Vistoria para a compra de imóveis, como fazer?

Fala galera, tudo bem?! Bom, no post de hoje vou mostrar para você, caro leitor, uma pequena lista básica de coisas, que devem ser vistas antes da compra de um imóvel usado. Afinal, muitas vezes na euforia pela compra de um imóvel, nós acabamos deixando alguns detalhes passarem despercebidos. E isso, mais trade, pode gerar uma enorme dor de cabeça e no bolso.

1) Documentação:

É importante conferir no cartório se a documentação do imóvel está em dia. Verifique se a matrícula do mesmo está no nome do proprietário e disponível para a venda, sem a existência de hipotecas e inventário.

No caso de apartamentos, é bom conferir se a área registrada na prefeitura é a mesma existente na vida real, incluindo a parte da área do estacionamento. No prédio, dê uma olhada na Ata da última assembleia: Nela, você encontrará os problemas do lugar. Também procure se informar sobre as dívidas de luz, água, gás, INSS etc. e peça todas as plantas do prédio.

2) Instalações prediais (Elétrica e Hidráulica):

A verificação desses dois itens em imóveis com mais de 15 anos é crucial, uma vez que geram custos altos em manutenção. Certifique-se de que a capacidade elétrica do local é compatível com a quantidade de aparelhos, que você possui. Veja se os disjuntores do quadro são novos e identificados; e se os cabos estão em bom estado de conservação.

Ainda falando de elétrica, você deve checar se a rede de luz e cabos vindos da rua estão em boas condições de uso ou se foram trocados.

Na parte hidráulica, verifique as condições da água que sai das torneiras do imóvel: Água amarelada é sinal de tubulação antiga, que precisa de troca. Peça as plantas de tubulações de água e gás, para conhecimento da localização desses tubos (caso você precise furar uma parede). No prédio em geral, informe-se se as prumadas comuns do prédio (esgoto) passaram por manutenção. Dentro do seu futuro apartamento ou casa, verifique se os pisos são laváveis e se acumulam umidade (facilidade na hora da limpeza é tudo!), além da existência de ralos.

3) Paredes:

Trincas nas paredes?! Embora apenas um técnico possa dar um parecer final sobre isso, veja se essas trincas são muito espessas e profundas. Se sim, fuja para longe kkkk. A situação é mais grave se isso ocorre em vigas, pilares ou cantos entre paredes e laje.

No quesito umidade, verifique se há manchas por baixo da pintura. Ela pode ser mascarada com uma pintura antes da sua visita! Além disso, analise se, ao dar batidinhas no revestimento, o mesmo emite um som oco. Se positivo, ele pode estar a beira de se soltar da parede. Pergunte a vizinhos sobre a ocorrência de vazamentos ou infiltrações no local: toda informação é bem vinda!

Em imóveis com subsolo, ou até mesmo em prédios com estacionamento subterrâneo, infiltrações ou rachaduras nas paredes pode ser sinal de movimentação do terreno. Esse problema tem solução com reformas na fundação, entretanto esse tipo de serviço é caro e de difícil execução.

4) Cobertura:

Em imóveis com telhado, certifique-se de que a estrutura do mesmo não esteja apodrecida ou esfarelando. Pois, caso isso ocorra, essa estrutura terá de ser refeita e o custo não é barato! Se houver falta de algumas telhas, analise se no local faltante houve infiltração na laje ou forro. Manchas de bolor ou umidade denunciam esse delito kkkk.

5) Esquadrias:

Verifique se as esquadrias estão enferrujadas, empenadas ou apodrecidas. Se sim, veja se vale a pena comprar esse imóvel. Afinal, dependendo da quantidade de esquadrias a serem trocadas, pode doer diretamente no seu bolso. Além disso, olhe ao redor delas e analise se existem sinais de infiltração.

6) Caixas d’água:

No caso de apartamentos, solicite ao síndico os registros das datas dos serviços de limpeza e desinfecção; veja com que frequência essas atividades são executadas. Se o prédio possuir apartamentos de temporada, pergunte aos vizinhos, moradores, se na época de verão eles têm problemas com o abastecimento de água.

Já em casas, observe se, ao abrir torneiras e chuveiros, a pressão da água na tubulação é a ideal. Caso contrário, será necessário ou mexer na posição da caixa d’água, ou desembolsar uma grana em um sistema de bombeamento.

Bom galera, por hoje é isso aí! Bem, se você gostou dessa postagem, compartilhe com suas redes de contato, propague a informação por aí! Afinal, sua dúvida pode ser a mesma que a de outras pessoas que você conheça. E se você ainda não é inscrito, inscreva-se no nosso Blog e receba as nossas atualizações, beleza? Agora, se você já é inscrito e gostou ou não dessa postagem, ou tem alguma sugestão, deixe um feedback aqui embaixo. Sua opinião é muito importante para a evolução do nosso conteúdo.

Até a próxima!

Amanda Lima.

 

 

0 Comentários

Deixe seu comentário.