Plataforma BIM: O que é?

Fala galera, tudo certo?! Bom, no post de hoje continuarei com a nossa série sobre a Plataforma BIM. Nessa semana, de fato, vou falar sobre a plataforma em si, explicando o conceito por trás dessa sigla. Se você não viu o artigo da semana passada, em que expliquei a diferença entre a metodologia colaborativa e a cooperativa, sugiro que clique aqui, antes de prosseguir por aqui! Você vai precisar desses conceitos para entender melhor esse artigo…

Agora, vamos rolar essa tela para baixo e conferir esse artigo na íntegra?!

Desvendando o que é a Plataforma BIM…

Primeira coisa que eu TENHO de deixar bem claro por aqui: a Plataforma BIM NÃO É um software ou conjunto de softwares! Muita gente por aí faz confusão com relação a isso… A Plataforma BIM (Building Information Modeling ou Modelagem de Informações da Construção) é uma metodologia, filosofia da qual integra todas as partes que constituem uma construção, desde as fases iniciais do projeto, passando pela execução da obra, até a fase em que a edificação está pronta de fato. Ela une todos os envolvidos em um projeto (arquitetos, engenheiros, construtores, incorporadores, clientes), e dessa união nasce o que chamamos de modelo virtual integrado. Dentro da plataforma, como explicamos no post passado, todo mundo se comunica de forma simultânea. Logo, qualquer mudança realizada é vista e analisada por todos, sendo replicada no projeto como um todo.

Esses modelos virtuais integrados possuem bancos de dados, com todas as informações do empreendimento em questão: tipos de materiais, quantidades, custos, prazos… E, através dessas informações, é possível gerar todo tipo de documentação, como cronogramas, orçamentos, todo tipo de especialidade de projeto, cálculo de consumo energético e por aí vai!

Algo que tenho de deixar bem claro aqui é que, a tecnologia que temos hoje deu a possibilidade de criarmos esses modelos virtuais. Porém, existem estudos desde a década de 1970, que falam sobre o conceito colaborativo, que é a base para a Plataforma BIM. Então, podemos concluir que, existem softwares desenvolvidos com os princípios BIM, o que é bem diferente de dizer que o BIM é apenas um software.

Parametricidade

Esses softwares são diferenciados dos modeladores tridimensionais graças à mágica da PARAMETRICIDADE. Basicamente, podemos dizer que a parametricidade é a capacidade de gerar objetos editáveis, nos quais são atribuídas características próprias, como fabricante, tamanho, material etc. E, esses objetos se modificam de forma automática dentro do modelo. Por exemplo, quando desenhamos em um modelador tridimensional, apenas modelamos a estrutura, a alvenaria, as esquadrias etc. Agora, quando projetamos dentro de um software com os princípios BIM, nós construímos uma estrutura, alvenaria, esquadrias, com todos seus dados carregados… Ou seja, todas essas informações não são apenas DESENHOS; trata-se de uma obra construída no modelo.

E, o que isso traz de vantagem para o meu projeto? Simples! Com a Plataforma BIM você terá um projeto preciso, sem problemas com incompatibilidades, realizado de forma mais ágil do que àqueles feitos da forma tradicional, que conhecemos hoje. Além disso, ainda há o fato de você possuir todas as informações e documentações do seu projeto geradas e contidas em um único lugar!

Não só de 3 dimensões é feito o BIM…

A Plataforma BIM possui muito mais do que as 3 dimensões conhecidas. Abaixo, veja como suas dimensões são divididas:

3D: Como já falei acima, no BIM 3D, temos as três dimensões espaciais das quais conhecemos e, unido a isso, a capacidade de descobrir os conflitos existentes nas modalidades dentro do projeto.

4D: Dentro do BIM 4D, temos a dimensão Tempo atribuída ao modelo, fazendo com que o mesmo tenha a capacidade de gerar cronogramas.

5D: No BIM 5D, a dimensão Custo entra no modelo. E, graças a isso, nessa dimensão é possível criar orçamentos do modelo virtual.

6D: Chegamos à dimensão que recebe o parâmetro Sustentabilidade. Nela, é possível efetuar análises, no que diz respeito ao consumo energético, tanto da obra, quanto da edificação acabada.

7D: Na última dimensão, consideramos tudo que é preciso para fazer a Análise do Ciclo de vida da edificação. Isso é importante para o pós-obra, no que diz respeito à operação e manutenção da edificação depois de pronta.

Acho que por hoje, temos bastante informação em um único artigo! Então, na semana que vem, falaremos sobre as etapas necessárias para a implantação da Plataforma BIM em um país. Espero você por aqui!

Concluindo…

Bom galera, por hoje é isso aí! Bem, se você gostou dessa postagem, compartilhe com suas redes de contato, propague a informação por aí! Afinal, sua dúvida pode ser a mesma que a de outras pessoas que você conheça. E se você ainda não é inscrito, inscreva-se no nosso Blog e receba as nossas atualizações, beleza?

Agora, se você já é inscrito e gostou ou não dessa postagem, ou tem alguma sugestão, deixe um feedback aqui embaixo. Sua opinião é muito importante para a evolução do nosso conteúdo.

Até a próxima!

Amanda Lima.

0 Comentários

Deixe seu comentário.