O que rolou antes da obra estar ali: Orçamento

Fala galera, tudo certo?! Bom, no post de hoje, continuaremos nossa saga sobre o planejamento de uma obra. Se você não viu o artigo da semana passada, em que falamos sobre o que era o planejamento em si, clique aqui antes de prosseguir nesse post. Agora, se você já está por dentro do nosso primeiro artigo, então rola essa tela para baixo e nos acompanhe nessa!

Hoje, vamos falar sobre ORÇAMENTO

Para começo de conversa…

Em resumo, o orçamento é um documento no qual nós fornecemos algumas informações importantes para o cliente, que são:

  • O valor a ser gasto para a execução do produto ou serviço;
  • O que será necessário para tal execução;
  • A descrição do produto ou serviço em si;
  • O prazo necessário para a sua realização.

Para a realização de um orçamento eficiente, faz-se necessário ter um bom conhecimento sobre aspectos importantes do produto ou serviço, como: clareza sobre sua identificação, descrição correta de seus atributos, quantificação, análise e valorização de todos os itens que o envolvem. Afinal, esse processo pode determinar o sucesso ou fracasso do executor de tal produto ou serviço. Orçamentos realizados de forma equivocada podem gerar imperfeições, frustrações, falta de credibilidade e até mesmo, prejuízos a curto e médio prazo.

Para orçar uma obra…

Quando falamos sobre o orçamento de uma obra em si, o primordial é ter o pleno conhecimento sobre o que será executado, saber interpretar todas as representações gráficas e especificações. Isso porque, tendo tais informações claras, é possível realizar cada etapa da obra da melhor maneira possível, assim como identificar as peculiaridades de cada atividade envolvida e, por consequência, seus custos.

Além das informações que podemos extrair do projeto, existem outros aspectos que precisamos identificar e considerar dentro de um orçamento, como:

  • Condições climáticas do local;
  • Condições do solo;
  • Vias de acesso ao redor;
  • Dificuldades de abastecimento de materiais;
  • Flutuações de produtividade dos operários;
  • Despesas indiretas (água, luz, telefone, refeições, combustíveis, manutenção do canteiro, etc.).

Por ser a base de fixação de preço de determinado empreendimento, esse é um dos processos mais importantes dentro da área da construção civil.

Para fazer um orçamento, é necessário entender o que são custos…

Quando elaboramos um orçamento, precisamos fazer o uso de informações confiáveis. Dessa forma, o mesmo se aproximará, ao máximo, do verdadeiro custo que terá a execução do empreendimento. Isto é, um orçamento tratará não do valor EXATO do custo do empreendimento, mas da estimativa mais próxima possível da realidade do mesmo. E, através dessa estimativa será possível a atribuição do melhor preço de venda.

Em geral, considera-se para a elaboração de um orçamento:

  • Custos diretos: são os custos relacionados, diretamente, com os serviços a serem realizados dentro da obra. Por exemplo: mão de obra dos operários, materiais, equipamentos etc.
  • Custos indiretos: são aqueles que não estão ligados, diretamente, com os serviços da obra. Mas, fazem parte da estrutura organizacional da empresa e da administração da obra. Por exemplo: despesas relacionadas com as instalações do escritório (aluguel, condomínio, luz, água), salário e encargos do pessoal do administrativo, despesas com a comercialização (marketing, visitas aos clientes), despesas com o apoio técnico etc.
  • Preço de venda: Inclui os custos diretos e indiretos, com a adição dos impostos e lucro de operação.

No final, o orçamento precisa possuir um valor que não seja muito baixo, a ponto de impedir a lucratividade da empresa. E, nem tão alto, a ponto de não ser competitivo em uma disputa com outras concorrentes.

Como os critérios para a elaboração de um orçamento podem ser dos mais variados, duas concorrentes quase sempre chegarão a preços de venda diferentes. As variações podem ocorrer nos seguintes aspectos:

  • Nos preços coletados;
  • Nas técnicas e métodos utilizados na execução da obra;
  • Na metodologia usada no levantamento da quantidade de materiais;
  • Na adoção do BDI (bonificação de despesas indiretas);

Entre outros.

E, através da elaboração e apresentação de um orçamento, é possível visualizar e medir a qualidade e competência de uma empresa.

Concluindo…

Bom galera, por hoje é isso aí! Bem, se você gostou dessa postagem, compartilhe com suas redes de contato, propague a informação por aí! Afinal, sua dúvida pode ser a mesma que a de outras pessoas que você conheça. E se você ainda não é inscrito, inscreva-se no nosso Blog e receba as nossas atualizações, beleza?

Agora, se você já é inscrito e gostou ou não dessa postagem, ou tem alguma sugestão, deixe um feedback aqui embaixo. Sua opinião é muito importante para a evolução do nosso conteúdo.

Até a próxima!

Amanda Lima.

0 Comentários

Deixe seu comentário.