No laboratório – Determinação do tempo de pega do cimento Portland (NBR NM65)

Fala galera, tudo certo?! No post de hoje, como falei na semana passada, nós vamos dar continuidade no assunto cimento Portland. Dessa vez, o ensaio do qual abordaremos será o de Determinação do tempo de pega do cimento Portland – NBR NM65. Caso você não tenha visto o da semana passada, clique aqui, pois será importante para você entender melhor esse artigo aqui ;)’.

Antes de tudo, vamos entender resumidamente, o que é a pega do cimento.

Segundo a linguagem da construção civil, pega é…

De acordo com a própria norma técnica NBR NM65 nos itens 3.1 e 3.2, o início e final do tempo de pega do cimento são definidos como, respectivamente:

3.1. “É, em condições de ensaio normalizadas, o intervalo de tempo transcorrido desde a adição de água ao cimento até o momento em que a agulha de Vicat correspondente penetra na pasta até uma distância de (4 ± 1) mm da placa base.”

3.2. “É, em condições de ensaio normalizadas, o intervalo de tempo transcorrido desde a adição de água ao cimento até o momento em que a agulha de Vicat penetra 0,5 mm na pasta.”

Traduzindo, os tempos de pega do cimento correspondem aos períodos em que o material começa a perder sua plasticidade. Ou seja, que ele entra em processo de enrijecimento, endurecimento.

Entendido o que é PEGA, vamos ao que realmente interessa!

 

O ensaio…

Para esse ensaio, serão utilizados os seguintes equipamentos:

  • Balança com resolução de 0,1g e capacidade mínima de 1 kg;
  • Misturador mecânico (argamassadeira) com capacidade de 5 litros;
  • Espátula metálica;
  • Molde tronco-cônico;
  • Placa de vidro de, ao menos, 5mm de espessura;
  • Béquer plástico;
  • Aparelho de Vicat.

Já os materiais usados, serão apenas dois:

  • Água (a quantidade a ser usada é a mesma encontrada no ensaio para determinação da pasta de consistência normal – NBR NM 43);
  • Cimento (500g).

Preparando a amostra…

Primeiramente, deve-se preparar a pasta de cimento e água, que nem explicamos no post da semana passada. Lembrando que a pasta desse ensaio tem a OBRIGAÇÃO de possuir a consistência normal. Isto é, a quantidade de água dessa vez é DEFINIDA.

Preparada a pasta, enche-se o molde tronco-cônico, de acordo com a norma NM 43. Feito isso, põe-se o molde na câmara úmida, ou submerso num recipiente com água por meia hora.

Com a amostra “pronta”…

Antes de começar a brincar com o aparelho de Vicat, lembre-se de zerá-lo, como explicamos no artigo passado.

Com o equipamento pronto para o uso, deve-se colocar o molde com a amostra no mesmo. Procedendo com o manuseio do aparelho da mesma forma, que no ensaio da semana passada, o início da pega é constatado quando a nossa agulha ficar estacionada a (4 ± 1) mm da placa de vidro (o horário em que isso acontecer, deve ser anotado). Caso não ocorra de primeira, deve-se levantar a haste com a agulha, limpá-la e descê-la novamente na superfície da pasta. Essa nova tentativa não deve dar a menos de 10 mm da borda do molde e entre as anteriores.

É importante ressaltar que, nos intervalos das tentativas, o molde tem de ser mantido na câmara úmida. Vale também dizer que, até que se constate o início da pega, deve-se realizar uma leitura a cada 10 minutos (respeitando os espaçamentos citados). E, quando se constatar o fim do início da pega, tem de se continuar a realizar leituras a cada 30 minutos.

Para a determinação do tempo de final da pega, primeiro, deve-se substituir a Agulha de Vicat para a determinação do tempo de início da pega pela Agulha de Vicat para a determinação do tempo de fim da pega. Ela, com seu formato anular (lembra um anel), torna fácil a observação de pequenas penetrações.

Trocada a agulha, inverte-se o molde cheio do conteúdo da amostra, de maneira que essa parte do ensaio seja realizada na parte contrária dela (a que estava em contato com a base). Realiza-se as medidas, assim como na determinação do início de pega. Não se deve esquecer de manter o molde na câmara úmida, durante os intervalos entre as medições.

Fonte: http://www.facear.edu.br/alunos-engenharia-civil-testam-teoria-laboratorio/

O final da pega é percebido quando a agulha penetrar, de primeira, somente 0,5 mm na pasta. O horário em que isso ocorrer deve ser anotado.

E agora, o que se faz com os resultados?!

Esse ensaio tem como principal objetivo, observar e determinar os intervalos de início e final da pega da pasta de cimento. Por essa razão, deve-se manter anotado os horários em que se iniciou a adição de água na pasta (preparação da pasta de cimento), de início e fim da pega.

É necessário que se ressalte algumas coisas sobre esse ensaio, antes de encerrarmos esse artigo:

  • É proibido que se determine os tempos de início e final de pega da pasta de cimento que já foi usada para a determinação de consistência normal… Nada de reaproveitar material, hein?!
  • As tentativas do ensaio não podem ser realizadas a menos de 9 mm da borda superior do molde, nem a menos de 6 mm de distância uma das outras;
  • Os resultados finais do ensaio devem ser expressos no formato de horas e minutos, com uma aproximação de 5 minutos.

Bom galera, por hoje é isso aí! Bem, se você gostou dessa postagem, compartilhe com suas redes de contato, propague a informação por aí! Afinal, sua dúvida pode ser a mesma que a de outras pessoas que você conheça. E se você ainda não é inscrito, inscreva-se no nosso Blog e receba as nossas atualizações, beleza?

Agora, se você já é inscrito e gostou ou não dessa postagem, ou tem alguma sugestão, deixe um feedback aqui embaixo. Sua opinião é muito importante para a evolução do nosso conteúdo.

Até a próxima!

Amanda Lima.

0 Comentários

Deixe seu comentário.