Minhas queridas aulas de fundações: Sapata isolada

Fala galera, tudo certo?! Bom, no artigo de hoje, vou iniciar uma série em que falarei sobre alguns dos tópicos, que aprendi em minhas aulas de Fundações. E, para começar, decidi falar sobre a fundação mais simples, porém muito importante: A sapata isolada. Sei que já há um post aqui no blog, sobre o que aprendi nas aulas de Concreto, que fala sobre sapata isolada. Entretanto, hoje vou falar com mais detalhes, com relação aos cálculos.

Quero deixar bem claro que, nessa série de artigos não vou me ater à parte de conceitos. Pois, já há uma série de infográficos aqui no EC, em que falei com detalhes, sobre as definições de cada tipo de fundações.

Agora, chega de enrolação e bora ver como calculamos uma sapata isolada…

O cálculo…

Antes de vermos as fórmulas, de fato, temos que fixar algumas regrinhas por aqui…

  • As sapatas devem possuir as seguintes dimensões mínimas: 60cm para suas laterais A e B, quando se tratar de pequenas edificações; e 80cm, no caso de edifícios.
  • As dimensões A e B das sapatas devem ser múltiplas de 5cm.
  • Pede-se para sempre deixar o centro de gravidade da sapata coincidente com o centro de gravidade do pilar correspondente, para evitar excentricidade.

Agora que já vimos as regrinhas, vamos ao cálculo de fato…

Primeiramente…

Calculamos a área da sapata. Para isso, multiplicamos a carga nominal do pilar pelo coeficiente de segurança (que adotaremos aqui 1,1) e dividimos o resultado pela tensão admissível do solo (informação essa, advinda dos estudos preliminares do solo, como a sondagem):

y: coeficiente de segurança;

Nk: Carga nominal do pilar;

Tensão admissível do solo.

 

Até aí, nenhum segredo. Afinal, é o mesmo cálculo visto no artigo em que abordei esse assunto, anteriormente. Porém, a partir daqui é que começamos a ver as diferenças.

Antes de prosseguirmos, temos que analisar a relação que as laterais do pilar possuem entre si. Isso porque, essa será a mesma relação que as laterais da nossa sapata isolada possuirá. Afinal, nem todo pilar é quadrado! Logo, nem toda sapata poderá ser desenhada quadrada…

No caso de sapatas retangulares:

A: Lateral maior da sapata;

B: Lateral menor da sapata;

ap: Lateral maior do pilar;

bp: Lateral menor do pilar.

Feito isso, agora, podemos encontrar os valores para as laterais das sapatas da seguinte forma:

Para o maior lado, somamos a diferença entre as laterais do pilar. Já, para o menor, subtraímos tal valor. E, depois de adquirir o resultado, é preciso conferir se o mesmo é um múltiplo de 5. Caso não seja, será necessário aumentar seu valor, até o múltiplo de 5cm mais próximo. Depois, vamos fazer um exemplo, para ficar mais claro.

Recordar é viver…

Caso não tenha visto o artigo sobre as aulas de concreto, em que falei sobre como calcular uma sapata quadrada, deixo aqui as fórmulas. Afinal, vale a pena sempre refrescar a memória…

Lembrando que, a regra dos múltiplos de 5cm também vale para esse caso!

Ah, e nunca se esqueça! Caso você esteja calculando uma sapata para uma edificação pequena e a mesma tenha ficado com menos de 60cm, você deve adotar os 60cm como medida mínima! E, se for para edifícios, esse valor mínimo vai para 80cm.

Quanto à altura da sapata e de sua base, encontramos da seguinte forma:

Ou:

No qual adotamos o maior valor entre os dois. E, não podemos esquecer que, H deve ser, no mínimo, igual a 1,50m. Já para calcular a altura da base, fazemos o seguinte cálculo:

E, é claro que, a altura da base (ho) deve possuir, no mínimo, 10cm.

Exemplo prático para sapata retangular…

Temos a seguinte situação para projetarmos uma sapata:

y: 1,1 (vamos adotar esse valor para o coeficiente de segurança)

Nk: 25tf

7,3tf/m²

ap:  0,60m

bp: 0,40m.

Em cima disso, pede-se para calcular as dimensões da sapata. Primeiro, já podemos descobrir a área que essa sapata deve ter:

Guardamos esse valor. Agora, precisamos saber qual a relação de igualdade entre as laterais do meu pilar.

Agora sim, podemos ver quais serão as medidas que essa sapata isolada terá:

Como eu disse mais acima, as medidas precisam ser múltiplas de 5cm. Logo, essas medidas precisam ser adaptadas para:

Agora, para descobrirmos a altura total e a altura da base de nossa sapata…

Ou:

Como o H calculado ficou menor do que 1,50m, adotamos 1,50m. E, para calcularmos ho:

A altura da nossa base, então, ficou com 0,50m.

E, na semana que vem, vou continuar nas fundações rasas, falando sobre sapatas associadas…

Concluindo…

Bom galera, por hoje é isso aí! Bem, se você gostou dessa postagem, compartilhe com suas redes de contato, propague a informação por aí! Afinal, sua dúvida pode ser a mesma que a de outras pessoas que você conheça. E se você ainda não é inscrito, inscreva-se no nosso Blog e receba as nossas atualizações, beleza?

Agora, se você já é inscrito e gostou ou não dessa postagem, ou tem alguma sugestão, deixe um feedback aqui embaixo. Sua opinião é muito importante para a evolução do nosso conteúdo

Até a próxima!

Amanda Lima.

CONSTANCIO, Douglas. Fundações rasas: Sapatas. Americana, 2004. 24p.

 

 

 

0 Comentários

Deixe seu comentário.