Entenda: Dinheiro ou permuta? Como as incorporadoras pagam por seus terrenos.

Fala galera, tudo certo?! Bom, no post de hoje, vamos falar um pouco da diferença entre o pagamento de terrenos a dinheiro e por permuta. Entenda como as incorporadoras fazem o pagamento dos terrenos dos seus futuros empreendimentos. E, veja as vantagens de cada uma dessas formas de pagamento.

Afinal, o que é permuta?

Primeiramente, vamos entender o que é essa tal de permuta. O pagamento por permuta ocorre quando a incorporadora, ao invés de pagar à vista, ela o faz cedendo parte do empreendimento pronto ou um percentual do VGV (valor geral de vendas) ao proprietário do terreno. Dessa forma, ela não precisa desembolsar seu dinheiro, logo de cara, para pagar por esse terreno.

Uma prática comum entre as incorporadoras é a permuta física. Isto é, o proprietário do terreno recebe um volume de unidades do empreendimento, como forma de pagamento. Uma das maneiras mais comuns de praticá-la é a multiplicação de um percentual pela área do terreno. Por exemplo, se a incorporadora comprou um terreno de 1.000m² e oferece ao proprietário 70% disso em área útil no prédio, isso significa que, 700m² em apartamentos serão destinados a ele. Isto é, se cada unidade tiver 100m², 7 delas pertencerão ao proprietário do terreno.

Essa tal de permuta é uma baita vantagem, certo?! Bom, nem sempre…

Atualmente, muitas incorporadoras preferem usar essa forma de pagamento. Isso porque, elas não precisam desprender de seu capital na aquisição do terreno. E assim, evitam ou pelo menos reduzem a exposição do seu caixa. Para empresas de pequeno porte, a permuta se torna uma vantajosa forma de pagamento.

Entretanto, dependendo da situação, essa pode não ser a forma mais vantajosa de se pagar por um terreno. Isso porque, dependendo do porte da empresa e da situação (como a localização do terreno, por exemplo), quando a mesma compra um terreno por permuta, ela acaba por “pagar mais caro” pelo mesmo, prejudicando sua margem de lucro. Muitas vezes, ao adquirir um terreno à vista, essas empresas acabam comprando-os por um valor menor, através da obtenção de descontos.

Para os proprietários de terreno, a permuta acaba sendo uma grande vantagem, entretanto com certos riscos. Isso porque, ao concordar com a permuta, eles estão meio que se tornando sócios do empreendimento. Ou seja, caso o empreendimento não tenha o sucesso esperado, eles assumem esse risco de não obter o retorno. Entretanto, o que ocorre na maioria dos casos, é a valorização imobiliária desses empreendimentos, fazendo com que os proprietários desses terrenos tenham ganhos significativos. Então, para aquele proprietário que não precisa do dinheiro do terreno no desespero, a permuta é uma opção bem atraente

Mas qual é a melhor escolha?

Depende! Não existe melhor ou pior escolha, mas aquela que atenda às necessidades de ambos os lados. Deve-se levar em conta o porte e situação financeira da incorporadora, assim como as exigências impostas pelo proprietário do terreno. Esses dois itens são cruciais para a tomada de decisão sobre qual a melhor forma de pagamento.

Concluindo…

Bom galera, por hoje é isso aí! Bem, se você gostou dessa postagem, compartilhe com suas redes de contato, propague a informação por aí! Afinal, sua dúvida pode ser a mesma que a de outras pessoas que você conheça. E se você ainda não é inscrito, inscreva-se no nosso Blog e receba as nossas atualizações, beleza?

Agora, se você já é inscrito e gostou ou não dessa postagem, ou tem alguma sugestão, deixe um feedback aqui embaixo. Sua opinião é muito importante para a evolução do nosso conteúdo.

Até a próxima!

Amanda Lima.

0 Comentários

Deixe seu comentário.